[RESENHA #59] A Princesa Escondida - Machado, Laura

By Soul dos Livros - 19:00

Boa noite, leitores!!
Eu sinto muito pelo sumiço pessoal, fiquei entretida mexendo com as coisas do meu livro que lança dia 30 de Julho. É tanta coisa para planejar e montar que ficamos malucos!

O que importa agora, porém, é a resenha dessa autora maravilhosa que é nossa parceira! Eu publiquei as Primeiras Impressões há alguns dias, mas aparentemente não houve post no instagram sobre. Para os que quiserem ler, é só clicar aqui! Para a bat-resenha!!




NOTA: 5/5       PÁGINAS: 402

SINOPSE: À primeira vista, Elisa Pariseau é uma garota normal. Como todos os jovens de Parforce, ela vai para uma Escola Preparatória, estilo internato, antes de ir para a universidade. Só uma coisa a separa dos outros: ela é uma princesa e a terceira na linha de sucessão do trono. Único detalhe? Ninguém pode saber!

Não que ela se importe, já que, na sua cabeça, há problemas maiores. Ela já não gosta mais de sua melhor amiga, está se interessando pelo cara mais popular da escola e é um alvo fácil para um blog de fofocas. Mas talvez o mais complicado seja entender o que se passa entre ela e seu grande amigo de infância, agora seu guarda pessoal. Além disso, Elisa é inscrita, contra sua vontade, em uma competição da escola. No meio de tanta confusão, quem tem tempo para se preocupar em esconder sua identidade?

É um ano tumultuado na escola e ainda mais em seu coração. Altas emoções e grandes decisões. Descubra o que mais o destino guarda para ela ao ler as páginas emocionantes de seu diário.

ONDE ENCONTRAR: SARAIVA - AMAZONSKOOB - DIRETO COM A AUTORA



"A Princesa Escondida" é o primeiro livro da série de Laura Machado. E eu preciso deixar claro o quanto eu enlouqueci por causa desse livro. Antes de entrar nos detalhes técnicos que minha resenha sempre tem, eu vou deixar a emoção levar. Eu amei a narrativa. O jeito que Elisa nos puxa para o seu mundo, o próprio jeito que ela pensa. Eu me identifiquei demais com a personagem e quase chorei junto com ela. O final do livro me deu uma baita ressaca e admito que foi um dos motivos de eu ter atrasado algumas outras resenhas. Fiquei bastante "o que eu faço agora?" e com certeza pretendo ir atrás da autora para implorar o próximo livro.

Agora que a tietagem já passou, vamos falar da história. Para começar, o livro já começa me deixando apaixonada, pois uma das minhas citações favoritas - que eu vi no perfil da autora, ou pela rede social literária por aí - é bem ali, na primeira página. Vou deixar a citação aqui no final do parágrafo. No início fiquei com receio de a história ficar um pouco fora de ponto, pois Elisa começa contando sobre como a amizade que tinha com sua melhor amiga simplesmente não existe mais. Conforme vamos descobrindo esse mundo de Elisa na escola preparatória de Parforce, vemos porque a amizade foi se apagando, a profundidade da personagem.

"Na minha opinião, existem sempre dois tipos de pessoas no mundo. Tem quem prefira chá e quem não consiga viver sem café."

Elisa é uma adolescente de 17 anos, aparentemente normal, cheia de defeitos como toda aluna. Atrasa trabalhos, termina ilustrações no meio do corredor, é um desastre em esculturas. Só que além de tudo isso, é uma Princesa. A terceira Princesa de Parforce, Eliese, que os pais decidiram esconder para que pudesse viver uma vida mais próxima do normal. E só tem duas pessoas que sabem isso: Portia e Ben, seu melhor amigo e que trabalha como guarda dela. O jeito que Elisa conta o que pensa e sente durante os poucos dias que o livro mostra, é tão profundo e tão cativante que entendemos bem como ela tem Ben como um marco na vida dela. E como ela sofre com a ideia de que será deixada por ele assim como foi pela sua família. Temos muitos conflitos familiares, como Elisa sente o seu afastamento do castelo e como não se sente parte da família. E como o segredo dela pesa todo dia. Só que uma terceira pessoa começa a entrar em sua vida e Elisa tem que lidar com mais uma coisa, algo típico de toda adolescente: a paixão.

"Assim que senti seus lábios me interrompendo, lhe devolvi o beijo. Quanto mais a gente se beijava, quanto mais eu gostava, mais queria lhe empurrar e dizer que era um idiota e que aquilo não mudava nada. Até cheguei a fazer isso uma vez, mas ele só concordou com a cabeça e voltou a me beijar."

Matthew Wickham. O garoto mais popular da escola, que todos conhecem e uma beldade. Tem o armário ao lado do de Elisa e a nossa Princesa não consegue entender a repulsa dele por ela, mesmo ela própria não gostando dele. Um dia ela o confronta no corredor e é a partir daí que as coisas começam a mudar. Conforme vamos acompanhando esses dois o nosso coração vai se derretendo junto com o de Elisa. Eu admito que ainda sinto certo perigo com relação a Wickham mesmo já terminado o livro. Mas o garoto é cativante e logo conquista Elisa. Só que o problema é muito maior do que apenas um "sim" ou "não" para a pergunta "Quer namorar comigo?". Elisa não seria capaz de namorar alguém para quem tem que mentir todos os dias.

"Se eu quiser ter um compromisso mais sério com ele, precisa ser de uma vez. Precisa ser de verdade, cartas na mesa, sentimentos à mostra e tudo que vem com isso. No entanto, a decisão não é só ser chamada ou não de namorada, mas contar ou não quem eu sou de verdade. E isso eu não sei se consigo fazer."

O livro gira em torno da personagem e do seu crescimento pessoal. Elisa faz mais amizades, percebe mais coisas sobre si mesma, aprende outras sobre outras pessoas. É gostoso de ler e acompanhar seu diário porque ela é muito divertida e animada. Algo que mais gostei nela é o jeito meio exagerado e dramático. É pouco, até, mas é gostoso ver alguém meio parecida comigo vivendo e sobrevivendo. A narrativa então é em primeira pessoa, seguindo a Elisa, no passado. É uma narrativa bastante fluida e que te prende. Esse livro foi um daqueles que (atenção ao fato verídico) te faz querer sair de uma festa para voltar a ler. Eu li "A Princesa Escondida" até as duas da manhã, fui beber cerveja com uns colegas do prédio e tudo que eu conseguia pensar enquanto eles desafinavam a "Boate Azul" era em voltar para ler mais alguns capítulos antes de dormir.

"Eles estavam todos perfeitos. Um rei, uma rainha, um príncipe e uma princesa. Eram quase como um quadro pintado, a família perfeita. Era de se esperar que me escondessem mesmo. Não era como se precisassem muito de mim."

O final foi um pouco frustrante, pois pensei que ia ser algo mais definitivo. Mas não deixou de ser muito bom, pois colocou um clímax enorme para nos fazer ler o próximo livro. Outra coisa que acho interessante ressaltar é que esse livro tem um tom bastante introdutório. Ele nos convida a conhecer a vida de Elisa e promete muito mais para o próximo livro. É quase um "Sentiu? Então espera para ver o que preparei no próximo.". Espero muito que a autora logo consiga publicar o segundo, a diagramação do livro ficou sensacional e muito bem feita. O cheiro é bom, gente. Sério.

Recomendo para quem quer se embrenhar no diário de uma Princesa adolescente. Diferente do que eu esperava, esse livro me pegou pelo coração e pela alma. Não pensem muito, só vão ler!

Obrigada!

  • Share:

You Might Also Like

1 comentários

  1. Olá tudo bom??? Amei a resenha e fiquei com ainda mais vontade de ler o livro, mas uma coisa não me sai da cabeça desde que li a sinopse.
    Nesse livro há triângulo amoroso? Não vou deixar de ler se tiver pq estou muito curiosa, mas gostaria de saber já que na sinopse fala que a Elisa está se interessando pelo cara mais popular da escola e deixa no ar sobre o melhor amigo dela. Gostaria de saber.
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir